segunda-feira, 7 de agosto de 2017

FOGO NO CÉU -ABDUÇÃO DE TRAVIS WALTON


FOGO NO CÉU

Data:05 de Novembro de 1975
Snowflake é uma vila localizada no estado americano do Arizona, no condado de Navajo. Foi fundada em 1948. 
 O caso começou no dia 05 de novembro de 1975. Travis Walton, que tinha 22 anos e era empregado de Mike Rogers 28 anos, que durante nove anos trabalhou no Serviço Florestal. eram sete lenhadores, Rogers e Walton, eram melhores amigos; Travis namorava a irmã de Roger, Dana, com quem mais tarde se casaria e teria vários filhos. Os outros homens no grupo eram Ken Peterson, John Goulette, Steve Pierce, Allen Dallis e Dwayne Smith, que viviam na pequena cidade de Snowflake, Arizona.


Os homens tinham o horário de trabalho das 6 da manhã até as 18 horas.
Em torno das 18:10, enquanto voltavam para casa, os lenhadores estavam cansados, pois tiveram um dia de muito trabalho. Avistaram uma luz intensa na floresta, atrás da colina e pensaram ser o brilho do sol se pondo, porém lembraram que o sol se punha meia hora antes, quando se aproximaram para ver; perceberam que a luz vinha de um objeto em forma de disco e estava parado a uns 6m a 7m de altura. O objeto tinha aproximadamente 2,5m de altura e 6m de diâmetro.
Ao parar a caminhonete, Mike viu que Travis saiu da caminhonete e correu em direção do objeto dourado, todos gritaram para que ele não saísse do carro, mas ele foi direto ao encontro do disco, quando chegou abaixo da nave, os homens relataram que ouviram um ruído que parecia de uma turbina, Travis, assustado, se escondeu atrás de uma pedra e quando se levantou para correr de volta na direção da caminhonete, um forte raio de luz amarelado e alaranjado muito brilhante que saiu do disco e o atingiu, naquele momento Travis sentiu como se levasse uma descarga elétrica e desmaiou.



  Enquanto seus amigos assistiam aquela cena de horror, acharam que Travis havia morrido e fugiram a toda velocidade pela estrada acidentada, com medo de que o disco estivesse perseguindo a caminhonete e matasse a todos. Depois de poucos quilômetros de distância, Peterson e Rogers (o motorista) resolveram voltar, para resgatar Travis mas por medo alguns rejeitaram a ideia. Mas voltaram.


Imagem cortesia de Michael H. Rogers © 1996 – do site oficial

Quando chegaram perto do local do incidente, Rogers o motorista viu entre as árvores o objeto luminoso sumindo no céu em alta velocidade. Com muito medo saíram do veículo, mas não viram Travis, chamaram, chamaram, e nada. Aliviados deduziram que Travis tinha fugido e sobrevivido ao “raio” disparado pelo objeto. Após longas buscas, sem sucesso, decidiram voltar para a cidade.  Eles entraram na caminhonete e começaram a longa viagem de volta para a cidade de Heber. A lembrança do que testemunharam recentemente os deixou abalados emocionalmente. Então Ken disse o que todos tiveram medo de dizer. "Nós vamos ter que contar polícia sobre isso".
Ao Chegarem na cidade procuraram o xerife Gillespie, que cético começou a suspeitar de que Walton fora assassinado pelos amigos. Por sua vez, todos amigos de Walton continuam a manter sua versão da história. Após muitas acusações os amigos, de comum acordo com a Polícia, submetem-se ao detector de mentiras e, apesar de todos terem passado no teste, mesmo assim, uma acusação de homicídio foi aberta contra eles.

Na segunda-feira, 10 de novembro, todos os outros membros do grupo de Rogers passaram por um teste com o detector de mentiras o polígrafo. Foram vários questionamentos, perguntaram se haviam matado e escondido o corpo de Travis  e foi constatado que todos eles estavam falando a verdade sobre o que tinham visto na floresta. Após os testes do polígrafo, o xerife Gillespie disse ter aceitado a história do avistamento e da abdução.
.                                                  

No dia 10 de novembro, numa segunda feira, por volta de 23:30, aproximadamente, Grant Neff (irmão de Travis) recebeu um telefonema de Travis Walton desesperado dizendo que estava em um posto de gasolina, então, Neff e Duane Walton sua irmã dirigiram até o posto de gasolina e encontraram-no caído, assustado com aparência abatida e sem noção de tempo e espaço. Foi levado para a casa de sua mãe onde recebeu cuidados para sua recuperação.

Após passado o choque, da terrível experiência, Travis conta aos amigos e a polícia como foi sua experiência de medo e terror. Contou que quando acordou, dentro da nave, achou que estava em um hospital, mas logo descobriu que não eram médicos e sim seres estranhos, pequenos e de crânios carecas e grandes, desproporcionais ao pequeno corpo magro. Assustado, Walton levantou-se rapidamente da mesa empurrando uma das criaturas, saiu correndo em fuga, mas ao entrar em uma sala se deparou com seres parecidos com humanos. Esses seres tinham uns dois metros de altura e vestiam roupas azuis e justas; eram musculosos, tinha cabelos loiros e compridos. Havia também uma mulher que tinha um cabelo mais comprido do que os dos homens. Walton em pânico desesperado perguntou onde estava. Os seres somente olharam para ele com uma expressão serena. Havia um ser de capacete que sentou Walton numa cadeira e saiu da sala.
Muito alterado, Walton disparou a gritar e fazer várias perguntas, a mulher pegou um objeto que parecia uma máscara de oxigênio, mas sem tubo, e colocou no nariz e boca de Walton que perdeu a consciência e só acordou quando perto de uma rua em Heber e pôde ver o objeto luminoso sumindo no céu.

                                 Image courtesy Michael H. Rogers ©1996
. 

  
                                  Image courtesy Michael H. Rogers ©1996

                             
                                          Imagens do filme Fogo no Céu – Direção de Robert Lieberman
  
                                           Imagens do filme Fogo no Céu – Direção de Robert Lieberman

Vários ufólogos e imprensa logo após o caso tornar-se público, invadiram a cidade atrás de informações.

   
                   Depoimento dos envolvidos no caso

"Se eu tivesse que fazê-lo novamente, eu não iria sair do caminhão". http://www.travis-walton.com/abduction.html
Em 1975: "Eu tenho trabalhado estas madeiras por mais de dez anos e esta é a coisa mais preciosa que já aconteceu comigo!"
E em 1995: "Eu tenho trabalhado estas madeiras há mais de trinta anos e isso ainda é a coisa mais preciosa que já aconteceu comigo!" http://www.travis-walton.com/abduction.html
"Não podíamos acreditar no que estava acontecendo. O horror era irreal". http://www.travis-walton.com/abduction.html
"Eu sei o que eu vi - e não era nada desta terra!" http://www.travis-walton.com/abduction.html
"Eu vi uma luz azulada vir da máquina e Travis foi voando - como se ele tivesse tocado um fio ao vivo!" http://www.travis-walton.com/abduction.html
 

"Esse raio foi o mais brilhante que já vi em toda a minha vida!" http://www.travis-walton.com/abduction.html
                           
"O ovni era suave e estava lançando uma luz amarelada-alaranjada". http://www.travis-walton.com/abduction.html


Há quem diga que essa história não passa de ficção:


Em 1978, Walton publicou “The Walton experience”, com sua própria narrativa do evento e suas consequências. Alguns céticos dizem que existem várias contradições na narrativa.

Alguns céticos e estudiosos do assunto, afirmam que os testes do polígrafo não foram realizados corretamente.
Um polígrafo ou detector de mentiras é um aparelho que mede e grava registros de diversas variáveis fisiológicas enquanto um interrogatório é realizado, utilizado para tentar identificar mentiras num relato[1].
Ao submeter uma pessoa ao polígrafo, suas respostas fazem os sensores registrarem em um gráfico as reações daquele interrogado. A partir das reações, indicadas pelo aparelho, pode se detectar uma mentira. Porém, a detecção pode ser burlada com treinamento da pessoa a ser interrogada, podendo os resultados gerados pelo aparelho serem considerados inconclusivos, sendo utilizados apenas como auxiliares em julgamentos.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Polígrafo_(detector_de_mentiras)
  



Em 1978, Travis lançou o livro "Fogo no Céu", contando todo o acontecimento da abdução. Muitos críticos insistiram em dizer que tudo não passou de uma bem elaborada farsa.


Travis hoje faz Palestras em todo o mundo e da entrevistas relatando seu contato com seres extraterrestres e a visita a uma nave espacial


Quer assistir o filme completo e em português?



Direção
Produção
Todd Black
Roteiro
Tracy Tormé
Travis Walton

       

No Brasil você pode encontrar o livro com o título Fogo no Céu

     
Fogo no Céu
Autor: Travis Walton
Capa: Rafael Amorim
Editora: Biblioteca UFO
Lançamento: Abril, 2014
Paginas: 460







Conheci Travis Walton em um Encontro Ufológico em Peruíbe, no litoral Sul de São Paulo Brasil, sua palestra é muito interessante e cheias de detalhes, o que achei mais interessante é que ele responde todas as perguntas dos espectadores. Seria possível que 7 pessoas sustentassem uma mentira por tantos anos? O que você acha? Qual a sua opinião? Se você fosse abduzido, faria palestras para o mundo ouvir sua história? Escreveria livros? Aceitaria fazer um filme? Cobraria pelas palestras, ou faria de graça? Dê sua opinião. Curta o Blog Máquina de Mistérios e o canal no youtube. Obrigado amigos.


                                    Na esquerda Carlos José Moreira e na direita Travis Walton.




Fontes de Pesquisa:




Máquina de Mistérios - Estudos Ufológicos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fábrica de Disco Voador?

Fábrica de Discos Voadores: a evolução Outro dia recebi umas fotos de supostos discos voadores e percebi que nas fotos mais antigas...